Pelos teus olhos

Eu já sei, eles são bem pequenos, e ainda diminuem quando você sorri, e olha, nunca vi alguém rir tanto. Independente da situação, do motivo, do lugar. Não há tempo ruim pra você, e isso é maravilhoso.
A questão é que, mesmo sendo pequenos, eles enxergam muito bem. Eu não estou confusa, sei que as vezes lhe atribuo uma sensibilidade maior do que a que você já me mostrou, mas é porque é assim que eu te enxergo. E pelos meus olhos você é um sujeito danado, perigoso e encantador.

É a flor vermelha enfeitando meu jardim, e se engana quem pensa que você só exala perfume, você é erva daninha e como tal vai destruindo, uma a uma, todas as flores que estão por perto. Até que só sobre você, reinando absoluto no meu jardim.

Eu viajo pensando de que forma você me vê, quem sou eu pra você? E por que entre tantas, eu? Tua chegada foi uma surpresa arquitetada, e eu, mais do que feliz, lhe abri os braços e te disse como eu lhe esperava, ansiava por tua vinda.
Solicito agora que me enxergue por quem eu sou. Dos teus olhos para os meus, me enxerga.