Via Crucis de Eduardo

Tinha 10 anos e um futuro pela frente. Eduardo de Jesus era seu nome. Ouvia de alguns que já estava perdido: era pobre e morador de favela.
Mas sorria, sonhava e talvez fingisse que os estereótipos não o atingissem.  Ou talvez nem soubesse o que "estereótipo" significa.
Aos 10, queria ser bombeiro e já deveria estar alfabetizado, pelo país! Pelo IDH! Nunca por ele... Deixem as crianças pra lá. Ainda mais favelado como esse daí.

Pra meninos assim a gente já sabe o que espera: cadeia ou caixão. O que mais preto vai ter?
Para a mulher, parideira que colocou mais um no mundo, resta a lembrança, e talvez o conforto: ao menos morreu logo, não teve que passar pela via crucis do povo negro. O julgamento foi rápido e certeiro: na cabeça.
E a mesma multidão que ovacionou Barrabás, ovaciona o policial que ela, forte, nunca vai esquecer o rosto.
Eduardo de Jesus, crucificado aos 10 anos de idade.

Péssimo dia pra saber ler, pra acordar e pra ser sexta feira santa. Eu sinto tua dor Terezinha.


http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/04/mae-de-morto-no-alemao-acusa-nunca-vou-esquecer-o-rosto-do-pm.html