Colcha de retalhos

Alguma coisa acontece em mim quando ele passa, e todas as vezes que ele chega algo em mim parece morrer. É, é dor de morte. Sinto como se me despedaçasse e no despedaçar vou me construindo.
Pode ser culpa dele, talvez até seja porque sinto que cada pedaço meu perdido no ar é substituído por pedaços dele, e ele me completa e parece que foi feito como tal para mim.
Quem sabe seja isso, de se perder e só se sentir completa quando outro corpo te habita, quem sabe isso... Essa apropriação "almática", seja o tal do amor. De verdade eu não sei, talvez seja. Eu só sei que quero me despedaçar toda vez que o encontrar e quem sabe um dia desses, numa noite fria qualquer, a gente acabe se aquecendo na colcha de retalhos em que vou ter me transformado.