Amor, amor

Você disse que eu só sei pensar em amor, que respiro amor, que choro amor, sorrio amor, amor, amor, amor... Disse que eu não vivo e nem sirvo pra outra coisa. 
O engraçado amor é que todo esse tempo pensei que soubesse, ou que ao menos imaginasse, que na verdade amor pra mim era você, e se eu for seguir a sua lógica (que não deixa de ser verdadeira)  eu vivi por e pra você. Eu só pensava em você, respirava você, chorava você, sorria você, você, você, você.
Foi sempre você e eu nunca me incomodei em deixa de ser eu pra ser sua. Pra viver e sonhar inteiramente com você. Com o moço que até no nome tem amor.